sexta-feira, 21 de abril de 2017

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

No final da década de 80, os britânicos da Walk On Fire lançaram o excelente "Blind Faith", álbum que lhes abriu as portas do universo AOR e que também cativou inúmeros fãs ao redor do planeta. Infelizmente, o segundo trabalho da banda acabou engavetado poucos meses antes de seu lançamento em 1991 e assim permaneceu, enquanto cópias de qualidade mais que duvidosa surgiam na internet. Mas os abençoados da Escape Music não apenas tiveram acesso ao material como o lançam exatamente hoje, sob o nome de "Mind Over Matter". E o que temos aqui é o mesmo AOR refinado, com produção cristalina, arranjos grandiosos e excelentes canções interpretadas magistralmente por Alan King. Se você já conhece o álbum anterior da Walk On Fire, já sabe o que esperar. Mas se não conhece, prepare-se para uma ótima surpresa...

O álbum tem sua dose generosa de rockers, representados por "Mind Over Matter" (um dos destaques do álbum), "Spinning Wheel", "Save Your Lies (We've Had Enough)" (eis outro destaque) e "Wicked" (mais um destaque), onde teclados e guitarras se alternam na linha de frente, afastando a obviedade e surpreendendo a cada nova audição. Volume máximo e múltiplas audições são recomendadas.

"Bad Attitude", "Big Gun" (outro destaque do álbum) e "Blood IsThe Colour" (mais um destaque) mantém o alto nível dos rockers, carregados com a dose certa de emoção e energia que se espera desse tipo de material.

O álbum também conta com mid-pacers arrepiantes, como podemos conferir em "Long Live Love" (outro destaque do álbum) e "Madhouse" (mais um destaque), enquanto "Pleasure Of Pain" e "Reign Down" (ambos destaques do álbum) surgem como power ballads introspectivas e envolventes. Cada uma dessas canções merece sua atenção e volume máximo, como de costume.

Em resumo, caríssimas e caríssimos, ouvir material inédito do Walk On Fire em pleno 2017 é uma belíssima surpresa. Seus mais de 25 anos provam a qualidade e atemporalidade desse material, que ainda mantém seu brilho. Infelizmente, as fitas originais que continham essas canções não estava absolutamente intacta e isso explica a diferença na resolução sonora de algumas canções. Não é nada que as torne pobres, apenas é possível perceber a diferença entre uma e outra faixa. Seja como for, "Mind Over Matter" chega para satisfazer a ansiedade de alguns fãs e, certamente, conquistar outros tantos. Material recomendado para iniciados e iniciantes na fina arte dos bons sons...

WALK ON FIRE - Mind Over Matter
Released on April 21st 2017, via Escape Music
Cat. #ESM302

Tracklist
01 Mind Over Matter
02 Spinning Wheel
03 Pleasure Of Pain
04 Reign Down
05 Long Live Love
06 Save Your Lies (We've Had Enough)
07 Wicked
08 Bad Attitude
09 Madhouse
10 Big Gun
11 The Price Of Love
12 Drag Me Down
13 Blood Is The Colour

Lineup
Alan King: vocals
Dave Cairns: keyboatds, guitars
Mike Casswell: guitars
Trevor Thornton: drums
Phil Williams: bass
Richard Cottle: programming

quinta-feira, 20 de abril de 2017

SÃO PAULO ANUNCIA FESTIVAL MUITO MAIS INTERESSANTE QUE O DITO "ROCK" IN RIO

Def Leppard já está confirmado no festival paulista
A novidade foi anunciada ontem e já causa tumulto - no bom sentido - entre os amantes dos bons sons.

O São Paulo Trip acontecerá em Setembro e contará com gente do calibre de:

Def Leppard
The Cult
Alice Cooper
The Who
Aerosmith
Bon Jovi
Guns N' Roses

Ainda, há uma atração especial que, por hora, é mantida em segredo.

Prevê-se que serão quatro dias de shows, mas datas, local e preço dos ingressos ainda não foram confirmados.

Mais detalhes em breve...

quarta-feira, 19 de abril de 2017

MR. BIG ANUNCIA NOVO ÁLBUM

Mr. Big prepara seu aguardado retorno para 2017
Os veteranos do Mr. Big revelaram o nome de seu próximo álbum: "Defying Gravity", que será lançado pela Frontiers Records, se tudo der certo, no final do segundo semestre.

A produção ficará a cargo de Kevin Elson, responsável pelos três primeiros - e ótimos - trabalhos da banda, lançados entre 1989 e 1993.

"Defying Gravity" contará com o lineup original do Mr. Big - Eric Martin, Paul Gilbert, Billy Sheehan e Pat Torpey - além da participação de Matt Starr, que vem substituindo Torpey nos shows da banda desde que ele foi diagnosticado com mal da Parkinson, em 2014.

Sobre o diagnóstico, em entrevista concedida a CrypticRock, Torpey disse: "O lado bom de tudo isso foi que descobri quantas pessoas se importam comigo e o grande apoio que tenho ao meu redor com os caras da banda, nosso empresário e, especialmente, da minha mulher. Ela é meu anjo da guarda, ela me salvou, basicamente. Foi difícil, mas estou muito melhor. Encontrei um caminho e estou tentando seguir em frente a cada dia".

terça-feira, 18 de abril de 2017

REVOLUTION SAINTS VEM AÍ

Aldrich, Castronovo e Blades retomam o projeto
Revolution Saints ainda neste ano
A Frontiers Records anunciou oficialmente o retorno do Revolution Saints.

De acordo com o press release, a banda entrará em estúdio na próxima semana, quando dará início ao processo de gravação de seu segundo álbum a ser lançado em Outubro.

O material será todo produzido pelo arroz de festa Alessandro Del Vecchio, que também é responsável pela co-autoria das canções compostas com o guitarrista Doug Aldrich.

O lineup permanece o mesmo, tendo Aldrich, Deen Castronovo e Jack Blades.




segunda-feira, 17 de abril de 2017

ALEX LIFESON REITERA DECISÃO DO RUSH

Alex Lifeson em ação com o Rush, circa 2016
Em recente entrevista concedida à SiriusXM, o guitarrista Alex Lifeson falou sobre o futuro nada incerto do Rush.

"Eu diria que é muito pouco provável que façamos outra tour como Rush. Na verdade, viajamos por 41 anos e tenho que dizer que nesse primeiro ano 'de férias' parecia que eu estava em luto pela minha carreira e pela banda, mas na verdade, 41 anos de tours da maneira que nós fizemos, eu não devia me sentir mal em relação a isso", disse Lifeson.

O guitarrista ainda disse que ele e Geddy Lee provavelmente farão algo juntos, apesar de não ter revelado como ou quando isso deve acontecer. O que se sabe é que, nesse momento, Lee está escrevendo um livro sobre a história do baixo. Já o legendário baterista Neil Peart está sumido. "Não sei o que Neil está fazendo ultimamente. Ele está na costa oeste. Ele sempre está inventando alguma coisa", disse Lifeson.

O hiato do Rush deixa espaço para que Lifeson crie um projeto solo, algo em que ele admite estar pensando, apesar de ainda não saber 'se' ou 'como' fará.

sexta-feira, 14 de abril de 2017

KELLY KEAGY SE AFASTA DO NIGHT RANGER

Kelly Keagy em ação com o Night Ranger
É temporário, mas é verdade.

O baterista passou por uma cirurgia e agora encara um breve período de recuperação enquanto o Night Ranger segue em frente com a tour que comemora os 35 anos de atividade da banda.

Keagy explicou: "Eu lidei com uma anomalia cardíaca a minha vida toda. Por recomendações médicas, decidi me submeter a um precedimento que me permitirá voltar ainda mais forte. Pedi aos caras na banda para que continuassem com a tour e mal posso esperar para me reunir com eles na estrada o mais rápido possível. Fico grato pelo apoio e orações de minha família, amigos de bana e nossos fãs, os quais significam tudo para mim enquanto tenho passado por esse processo".

Para o seu lugar a banda recrutou ninguém menos que o sempre excelente Deen Castronovo e Fred Coury.

Keagy deve se juntar ao Night Ranger em cerca de 60 dias.

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

Três anos depois do lançamento de seu último álbum de material inédito, os suecos da Crazy Lixx retornarão ao cenário com "Ruff Justice", que chegará às lojas no final deste mês. Com um novo guitarrista a bordo, a banda caprichou nas composições e manteve, de maneira geral, a sonoridade que os tornou famosos. Mas há uma boa dose melódica em todas as canções e uma saudável redução no peso exagerado que, aos poucos, foi se infiltrando no material da banda. Não que isso seja nocivo, mas também não soava lá muto natural quando se comparava o que a banda já fez com o que vinha fazendo. Mas agora os caras retomaram o bom caminho e apresentam um belo trabalho que conta com a produção polida de Chris Laney.

O álbum é repleto de rockers arrasadores, como era de se esperar, e a tônica é bem apresentada com "Wild Child" (um dos destaques do álbum), "XIII" e "Walk The Wire" (outro destaque do álbum), onde guitarras bem cortadas injetam nitroglicerina em melodias envolventes. Ah, e os refrões são absurdamente grudentos, daquele tipo que fica ecoando em seus pavilhões auditivos por horas.

Ainda há outros bons exemplos da sonoridade clássica da banda, como se verifica na explosiva "Shot With A Needle Of Love" (mais um destaque do álbum), "Killer" (com sua variação de andamento entre versos e refrão) e na demolidora "Hunter Of The Heart", um rocker imponente - e com refrão excelente - e que figura entre os destaques do álbum.

Na reta final temos o ótimo rocker "Snakes In Paradise" (mais um destaque do álbum), a baladaça "If It's Love" (outro destaque) e "Live Before I Die"rocker arrasador e merecedor de sua total atenção.

Crazy Lixx: Olsson, Sjöholm, Rexon, Cirera e Lundgren
Em resumo, caríssimas e caríssimos, "Ruff Justice" é um álbum digno do nome que a Crazy Lixx construiu. Ainda há um ou outro registro mais pesado, entretanto, o álbum traz uma série de canções com maior gama melódica e que remete, invariavelmente, aos seus primeiros - e mais divertidos - trabalhos. De fato, não há nenhuma grande novidade aqui, mas quem se importa??? Costumo dizer que prefiro o "mais do mesmo com qualidade do que a novidade moderninha". Com esse álbum, a Crazy Lixx só faz reforçar minha ideia e reitera sua identidade musical de maneira inconfundível com um álbum consistente, convincente e mais que recomendado...

CRAZY LIXX - Ruff Justice
To be released on April 21st, via Frontiers Records
Cat. #FR CD 787

Tracklist
01 Wild Child
02 XIII
03 Walk The Wire
04 Shot With A Needle Of Love
05 Killer
06 Hunter Of The Heart
07 Snakes In Paradise
08 If It's Love
09 Kiss Of Judas
10 Live Before I Die

Lineup
Danny Rexon: vocals
Joél Cirera: drums
Jens Sjöholm: bass
Chrisse Olsson: guitars
Jens Lundgren: guitars

Guest Musician
Kristine Lianou: backing vocals on "Walk The Wire"

quinta-feira, 13 de abril de 2017

NEAL SCHON FALA SOBRE SEU REENCONTRO COM STEVE PERRY

Steve Perry e Neal Schon na última sexta-feira
Um dos grandes momentos do ano, sem dúvida alguma, foi a indução do Journey no indecente Rock & Roll Hall Of Fame, instituição que se tornou caricatura de si própria. E não bastasse isso, o emocionado discurso de Steve Perry só acrescentou ainda mais brilho ao momento.

Você pode assistir ao momento da indução do Journey - em seus pouco mais de 39 minutos - clicando aqui.

Mas muita coisa já havia acontecido quando os integrantes da banda subiram ao palco. Entre eles, um dos mais esperados era o reencontro entre Neal Schon e Steve Perry. E em recente entrevista concedida a Rolling Stone, o guitarrista comentou o assunto.

"Eu realmente amei ver Steve Perry, que eu não via há muito tempo, desde que ganhamos a estrela na Hollywood Walk Of Fame em 2005. Eu fui até seu camarim. Acho que essa foi uma das razões pelas quais eu estava tão emotivo. Eu não o via há muito tempo e percebi como éramos próximos. Olhando velhas fotografias e ouvindo a música que criamos juntos, fiquei muito emocionado. Se não tivesse ido até seu camarim antes, talvez não tivesse ficado tão emocionado. Quem sabe? Steve e eu fomos muito, muito próximos por anos", disse Schon.

O guitarrista continuou: "No fim do Journey, na época do 'Trial By Fire' ou mesmo do 'Raised On Radio', nós tínhamos opiniões diferentes sobre o caminho que a banda deveria tomar. Foi mais ou menos isso. Haviam outras coisas acontecendo que parecem ridículas quando olhamos para trás. Eu esperava que pudéssemos passar por cima de tudo e retomar a grande amizade que sempre tivemos, a admiração e respeito que tínhamos um pelo outro. E senti que isso estava ali novamente. Alguns de seus amigos estavam no camarim com minha mulher e eu, e eles tiraram algumas fotos. As pessoas podem verdadeiramente ver que ele estava feliz e eu também. Cada fotografia conta uma história".

Quando perguntado sobre o que falaram no backstage, Schon disse: "Eu olhei para ele e disse 'Hey, cara, realmente sinto sua falta'. Houve aquele contato 'olho no olho'. Foi real. Não foram apenas as coisas que dissemos por causa da cerimônia e para manter uma certa aparência. Ele disse 'Já passou da hora de tomarmos um café'. E eu disse 'Vamos fazer isso. Por favor.".

quarta-feira, 12 de abril de 2017

GLENN HUGHES FALA SOBRE A VOLTA DA BLACK COUNTRY COMMUNION

Glenn Hughes volta à ativa com a
Black Country Communion ainda em 2017
Em entrevista concedida ao pessoal da Loud na última segunda-feira, o veterano Glenn Hughes falou sobre o novo trabalho da Black Country Communion, que acontecerá ainda em 2017.

Sobre o álbum Hughes disse: "Será lançado em meados de Setembro. Vou me encontrar com Joe Bonamassa e Kevin Shirley nesta semana para ouvirmos os novos mixes. Está tudo feito, pronto para ser lançado".

Hughes foi questionado sobre a briga que teria tido com Joe Bonamassa logo após a separação da banda, mas foi lembrado que o guitarrista negou veementemente o fato. Hughes, então comentou: "Joe e eu nunca brigamos. Vamos dizer que quando uma banda se separou, Joe estava muito, muito ocupado. Ele não tinha espaço para fazer nada além de seus próprio projeto, e nós sabíamos disso quando começamos a Black Country Communion".

O baixista continuou: "Então, quando ficou claro que Joe não teria nenhuma vaga em sua agenda, achamos que seria apropriado nos separarmos por um tempo e fazermos outras coisas. E, claro, há um ano atrás, quando fui incluído no Hall Of Fame, Joe me ligou e me parabenizou, e nós conversamos por um tempo, jantamos juntos e conversamos sobre a possibilidade de um novo álbum da Black Country, o qual acabamos de fazer. E nunca estivemos mais amigáveis, nunca estivemos mais próximos e que assim continuemos por muito tempo".

terça-feira, 11 de abril de 2017

BREAKING NEWS

* Joe Satriani anunciou que a nova incaranção do projeto G4 incluirá Phil Collen, Paul Gilbert e Warren DiMartini;

* Sammy Hagar acaba de lançar vídeo para "No Worries" (uma das canções inéditas de sua mais recente coletânea) que ser assistido aqui;

* Ann Wilson declarou que o Heart está, oficialmente, em hiato, depois que seu marido agrediu os filhos de sua irmã, Nancy Wilson, porque um dos garotos deixou a porta do ônibus destrancada. Os últimos shows do Heart  - descritos por Ann como sendo "um inferno" - tiveram as irmãs em camarins separados pela primeira vez na longa história da banda.

segunda-feira, 10 de abril de 2017

STEVE PERRY AFIRMA QUE NOVO ÁLBUM SOLO CHEGA AINDA EM 2017

O legendário Steve Perry na cerimônia de indução do
Journey ao patético Rock & Roll Hall Of Fame

Mesmo sem se apresentar com o Journey, a noite de sexta-feira foi toda de Steve Perry.

Não bastasse ter subido ao palco com os colegas - e não amigos - do Journey em muito tempo, o vocalista ainda fez um discurso direto e emocionado, como você pode assistir aqui.

Mas em recente entrevista concedida a ABC Radio, Perry falou sobre seu novo álbum - o primeiro desde 1994 - que deve chegar às lojas ainda neste ano. A temática do trabalho, entretanto, é centrada na perda que Perry sofreu.

"Eu conheci alguém e me apaixonei. Mas eu perdi por causa de um câncer de mama há quatro anos ... ", disse Perry. A mulher em questão chama-se Kellie Nash, com quem ele teve um relacionamento durante um ano e meio, enquanto ela já se recuperava de um câncer. A doença voltou antes mesmo de Perry a conhecer, atacando os pulmões e ossos depois de 8 meses de remissão. Nash faleceu em Dezembro de 2012.

Perry continuou: "Nesse período, eu tinha escrito algumas músicas, e antes de conhecê-la, eu tinha esboçado outro. Assim, cerca de um ano atrás, eu comecei a gravar. Basicamente, o lançamento é uma nova expressão emocionante. Tem sido uma experiência verdadeiramente catártica voltar àquele lugar emocional ao qual eu nunca pensei em voltar. E nós realmente temos feito o nosso melhor para capturar aquelas que eu acho que são canções atemporais ".


É fato que esse terceiro trabalho solo de Steve Perry já ganhou status de lenda, pois comentários sobre ele existem desde meados da década de 90. O próprio Perry já havia declarado ter material escrito e até gravado, mas nunca vimos ou ouvimos coisa alguma.

Vamos torcer para que, dessa vez, os comentários sobre o tal novo álbum se concretizem.

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

No final da década de 80, os britânicos da Walk On Fire lançaram o excelente "Blind Faith" , álbum que lhes abriu as portas do...