sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

Não há como falar de AOR sem mencionarmos o legendário Mark Spiro, um dos mais respeitados nomes dentro do universo dos bons sons. Dono de um talento único para criar canções e letras impactantes, o cidadão prestou valiosos serviços à causa AOR compondo material para gente do calibre de Bad English, Giant, Heart, John Waite e muitos outros. E nos idos de 1997 ele lançou seu quarto álbum, o obrigatório "My Devotion", que é recheado de canções absolutamente espetaculares, além de ter a presença luxuosa dos guitarrista Dann Huff, Tim Pierce e Michael Thompson. Esse álbum figura como o trabalho preferido de muitos de seus fãs e não é nenhum pouco difícil perceber o porque...

O álbum abre com "My Devotion", rocker bem cadenciado e que conta com uma base de guitarra contagiante. O baixo intermitente confere dinamismo à canção que também conta com teclados ocasionais e bem dispostos dentro do arranjo que tem no refrão marcante seu ponto alto. Canção que merece as tradicionais janelas abertas e o som no volume máximo, assim como acontece com o rocker "The Rhythm Of You" em seu arranjo, onde alterna o baixo e guitarras em primeiro plano. Os teclados continuam a enriquecer a canção marcar presença de maneira discreta, mas perceptível e isso se verifica com mais facilidade no refrão arrepiante. Outra belíssima canção que merece toda a sua atenção. Já "The Rain Came Tumblin' Down" diminui o ritmo apresentando um arranjo com marcação evidente de baixo e bateria, com as guitarras surgindo ocasionalmente até o refrão, quando a canção deslancha e as seis cordas assumem a linha de frente. Normalmente, essa variação no andamento entre versos e refrão não me agrada, mas a qualidade do trabalho é tão nesse caso que é impossível não se render. Mantenha as janelas abertas e o volume no limite máximo também para 'Time Keeps Ticking", outro rocker arrasador e que conta com uma linha de baixo pulsante acompanhada de guitarras mais contidas, mas precisamente explosivas quando necessário. O arranjo e andamento me agradam muito e o refrão é extremamente eficiente, permanecendo em sua cabeça por dias. Um verdadeiro torpedo sonoro que merece ser ouvido com o volume máximo, janelas abertas e, se possível, com o sol brilhando infernalmente lá fora.

Mark Spiro, circa 1997
A excelente "Love Is War" coloca as guitarras na linha de frente acompanhadas por um teclado insistente em segundo plano. O arranjo é envolvente e cresce nas b-sections, precedendo o refrão demolidor que surge entre guitarras e um teclado bem colocado. Ainda, essa canção tem uma das melhores interpretações de Mr. Spiro e é esse conjunto de qualidades que torna essa canção um dos grandes destaques do álbum. Com andamento bem mais contido, "Kiss The World Away" apresenta um arranjo muito bacana onde destaco o baixo e, obviamente, as guitarras sempre bem postadas. A melodia é ótima e o refrão, mesmo sem ser explosivo, eleva os ânimos e cumpre seu papel com facilidade. Eis mais uma canção que merece sua atenção e repetidas audições no volume máximo. Surgindo como um contraponto à tudo que ouvimos até agora, "Sunset City" é uma linda balada que conta com uma pesada base de baixo que serve de base para as guitarras bem mais contidas ao longo dos versos, mas que ganham um pouco mais de espaço no refrão marcante. Outro grande momento do álbum é a maravilhosa "Better With A Broken Heart", um radio-friendly AOR capaz de fazer vampiros doarem sangue. O arranjo apresenta guitarras bem postadas e contidas ao longo dos versos sempre crescentes, culminando no refrão absolutamente explosivo e que conta com uma saudável dose de teclados muito bem distribuídos em meio a guitarras precisas. Pessoalmente, considero essa canção o grande destaque do álbum e a tenho entre as minhas preferidas dentro da discografia de Mr. Spiro. Janelas abertas, volume máximo e um dia de sol não fazem jus à essa canção, pode apostar...

Em seguida temos "Campbell River Road", um mid-pacer envolvente, cadenciado pelo baixo em primeiro plano e teclados suaves que criam em conjunto uma atmosfera intimista e de muito bom gosto musical. O arranjo é muito bem construído e, uma vez mais, destaco a interpretação caprichada de Mr. Spiro em outro grande momento do álbum. Retomando o caminho rocker, "Valdez" recoloca as guitarras em primeiro plano acompanhadas pelo baixo que sempre confere volume e peso. O arranjo é muito bacana, assim como o andamento, tendo b-sections sempre crescentes e refrão marcante, elementos que fazem dessa canção outro grande destaque do álbum, sem dúvida alguma. E então chega "Don't Leave Me In Love", balada de primeira grandeza e que foi regravada pelo Giant em 2001. A diferença entre as duas versões é que a de Mr. Spiro tem uma aura mais intimista por causa do arranjo mais limpo, contando apenas com guitarras, baixo e bateria. Já a versão gravada pela banda do grande Dann Huff recorreu à teclados (muito bem colocados, diga-se de passagem) para adicionar brilho ao arranjo. Ainda o andamento das duas versões é levemente diferente. Belíssima em sua simplicidade, a versão original gravada por Mr. Spiro é brilhante e merece múltiplas audições. E na reta final do álbum temos o excelente rocker "Guardian Angel", que conta com um arranjo certeiro e andamento dinâmico e empolgante, onde os versos são suaves e o refrão memorável, estando sempre cercados por guitarras precisamente distribuídas. E a balada "Desert Bloom" fecha o álbum com um arranjo envolvente, calcado em teclados e baixo, mas sendo pontuado por guitarras ocasionais e bem colocadas, fazendo uma bela opção para fechar um álbum espetacular.

Em resumo, caríssimas e caríssimos, não tenho como negar que sou fã incondicional de Mark Spiro e não posso imaginar outra palavra para descrevê-lo que não seja 'gênio'. Sua capacidade de criar arranjos e melodias simplesmente maravilhosas é quase sobrenatural e isso fica muito claro quando você ouve seus álbuns. Se é humanamente possível que você não tenha o totalmente excelente "Devotion" em sua coleção, trate de buscar a sua cópia, já que nenhuma coleção de respeito está completa sem esse trabalho. Material muito mais que recomendado, "Devotion" é obrigatório!!!

MARK SPIRO - Devotion
Released in 1997 via Victor Records (Japanese Pressing)
Cat. #59645

Tracklist
01 My Devotion
02 Rhythm Of You
03 Rain Came Tumblin' Down
04 Time Keeps Ticking
05 Love Is War
06 Kiss The World Away
07 Sunset City
08 Better With A Broken Heart
09 Campbell River Road
10 Valdez
11 Don't Leave Me In Love
12 Guardian Angel
13 Desert Bloom 

Musicians
Mark Spiro: vocals, keyboards, programming, backing vocals
Dann Huff: guitars
Tim Pierce; guitars
Michael Thompson: guitars

Nenhum comentário:

Postar um comentário

RECOMENDAÇÃO DA SEMANA

No final da década de 90, a hoje toda poderosa Frontiers Records ainda estava nas fraldas e um de seus primeiros lançamentos - o décimo...